Perfil epidemiológico e histopatológico de Melanoma Cutáneo Primario de la región central de Río Grande do Sul

PRIMARY CUTANEOUS MELANOMA IN THE POPULATION OF THE CENTRAL AREA OF RIO GRANDE DO SUL. EPIDEMIOLOGICAL AND HISTOPATHOLOGICAL PROFILE

Autores | Contacto

LFT Neumaier *, LM Leal **, CM Turchiello ***, W Neumaier ****,  AA Costa Beber ***** y GR Bessa ******
* Médico. Universidade Luterana do Brasil.
** Médico residente de Medicina Interna del Hospital São Lucas da PUCRS.
*** Académica del Curso de Medicina. Universidade Luterana do Brasil.
**** Médico Dermatólogo. Hospital Universitário de Santa Maria.
***** Chefe del Servicio de Dermatología del Hospital Universitário de Santa Maria. Profesor de la disciplina de Dermatología de la Universidade Federal de Santa Maria.
****** Médico Dermatólogo. Profesor de la disciplina de Dermatología de la Universidade Luterana do Brasil.

Trabajo realizado en el Servicio de Dermatología del Hospital Universitario de Santa Maria.

Dirección postal: Av. Roraima 1000, prédio 22, Campus, bairro Camobi, Santa Maria, RS, Brasil. CEP 97105-900.
Teléfono de contacto: (55) 3221-5420.
Mail de contacto: luisf.tn@gmail.com.

Los autores no poseemos ningún conflicto de interés.

Recibido:  07.12.2017.-
Aceptado Para su Publicación:  27.05.2018.-

Dirección
Dra. Mirta Cristina Verdi

Resumen | Palabras Claves

RESUMEN

Introducción: melanoma cutáneo es considerado una de las neoplasias cutáneas más agresivos con gran potencial metastásico. Los patrones de participación varían de acuerdo con los factores de riesgo ambientales y las características genéticas de una población.

Objetivos: caracterizar el perfil epidemiológico y describir los datos histopatológicos de los pacientes diagnosticados con melanoma cutáneo, por informes patológicos del Laboratorio de Patología de la Universidad Federal de Santa María.

Materiales y Métodos: estudio analítico retrospectivo utilizando los datos descritos en los informes de patología desde Enero de 2013 a Junio de 2015. Resultados: un total de 49 casos fueron analizados, la mayoría entre 70-79 años (28,6%) y mujeres (59%). Predominó el lentigo maligno melanoma (36,7%) y  45% de los casos afectaron la cabeza y el cuello. La mayoría de los casos fueron in situ (32,7%), la presentación principal en mujeres.

Conclusiones: este estudio mostró patrones de epidemiología diferentes a los descritos previamente en otros estudios brasileños. Hubo un mayor número de casos de lentigo maligno melanoma, lo que condujo a una mayor prevalencia de grupos de mayor edad y lesiones de cabeza y cuello.

PALABRAS CLAVE: melanoma, piel, epidemiología, neoplasias cutáneas, patología.

SUMMARY

Introduction: cutaneous melanoma is considered one of the most aggressive cutaneous neoplasms with a big metastatic potential. Patterns of involvement vary according to the environmental risk factors and genetic characteristics of a population.

Objectives: characterize the epidemiological profile and describe histopathological data of patients diagnosed with cutaneous melanoma by pathological reports of the Pathology Laboratory of the Santa Maria’s Federal University.

Methods: retrospective analytical study using described data in pathology reports from January 2013 to June 2015.

Results: a total of 49 cases were analyzed, the majority has between 70-79 years old (28,6%) and were women (59%). The LMM predominated (36,7%) and 45% of the cases affected the head and neck. The majority of the cases were in situ (32,7%), the main presentation in females.

Conclusions: this study showed a different epidemiology patterns from those previously described in national literature. There were a greater number of cases of LMM, which led to a biggest prevalence of older age groups and head and neck lesions. Several times, the classification of the patients’ phototype was not described by the physician who performed the procedure. This study did not use the patients’ records, so there was relevant information loss.

KEY WORDS: melanoma, skin, epidemiology, skin neoplasms, pathology.

Artículo | Referencias

INTRODUÇÃO

O melanoma cutâneo (MC) é uma neoplasia originada nos melanócitos, sendo considerada um dos tumores cutâneos mais agressivos e também pelo grande potencial metastático. Embora o MC represente apenas 4% das neoplasias cutâneas, a sua taxa de mortalidade pode chegar a 90% 1-3.

As topografias mais frequentes das lesões variam conforme sexo e etnia. Em homens, as lesões costumam ser mais comumente no dorso e membros superiores, já as mulheres apresentam maior incidência de lesões em dorso e membros inferiores. Quanto à etnia, a grande maioria ocorre nos caucasianos, sendo menos prevalente em negros 4. Os principais tipos histológicos de MC conforme a frequência são melanoma extensivo superficial (MES), 70%; melanoma nodular (MN), 15%; lentigo maligno melanoma (LMM), 5%; melanoma lentiginoso acral (MLA), 7-9% 4.

Os dados brasileiros sobre este assunto estão, normalmente, ligados aos grandes centros de referência, localizados nas capitais ou regiões metropolitanas. Por este motivo, faltam informações atualizadas dos centros de referência localizados no interior dos estados brasileiros. Esses dados são necessários para melhorar as políticas de prevenção do MC em todo o território brasileiro. Este estudo teve como objetivo caracterizar o perfil epidemiológico e descrever os dados histopatológicos dos pacientes diagnosticados com MC através de revisão dos laudos anatomopatológicos do Laboratório de Patologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

MÉTODOS

Foi realizado um estudo retrospectivo analítico de dados descritos nos laudos anatomopatológicos do Laboratório de Patologia de UFSM entre o período de Janeiro de 2013 a Junho de 2015.Os usuarios do laboratorio incluem todos os pacientes do Hospital Universitário de Sana Maria (HUSM), os otros servicos de patologia da cidade não possuem convenio com o Sitema único de Saúde. O levantamento foi realizado através da busca eletronica no sistema do servico de patologia, todos os casos descritos foram analisados e revisados pelo servico de patologia da UFSM, seguindo as diretrizes da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Os Casos duvidosos foram revisados conforme protocolo interno do laboratorio e quando necessário foi realizado exame imuno-histoquímico. Como criterio de incluso, utilizou-se o diagnóstico de melanoma cutáneo primário com confirmacão histopatológica no período descrito anteriormente.

As Varáveis estudadas foram: idade, sexo, topografía da lesão, tipo histológico, índice de Breslow e nível de Clark. Realizou-se a análise descritiva com estudo calculadas as medidas de tendencia central (média e mediana). Utilizou-se o programa Microsoft Excel®. Este estudo foi submetido e aprovado pelo Comité de Ética e Pesquisa da UFSM, sob número CAAE: 54672816.7.0000.5346.

RESULTADOS

Foram analisados 49 casos de melanoma cutâneo diagnosticados no período de Janeiro de 2013 a Junho de 2015. Foram diagnosticados 25, 15 e 9 casos em 2013, 2014 e 2015, respectivamente. A idade mínima e máxima foram de 24 e 94 anos, respectivamente. A mediana das idades de todos os casos foi de 66 anos. Conforme o sexo, a mediana foi de 65 anos para o sexo masculino e 66 anos para o sexo feminino.

Dentre as faixas etárias, o maior número de casos ocorreu entre 70-79 anos. Não houve casos diagnosticados entre 0-20 anos e 40-49 anos. O sexo feminino apresentou o maior número de casos, estando a frente do sexo masculino na grande maioria das faixas etárias. (Tabela I)

O lentigo maligno melanoma foi o tipo histológico mais frequente, seguido do melanoma extensivo superficial, melanoma nodular e melanoma lentiginoso acral. Houve casos não classificados histologicamente. (Tabela I)

Quanto a espessura da lesão, a grande maioria foi classificada como in situ, seguida de ≤ 1mm, entre 2,01-4mm e > 4mm. No sexo feminino predominou as espessuras in situ e ≤ 1mm, já no sexo masculino predominou > 4mm e entre 2,01-4mm. Tendo em vista o nível de Clark, o maior número de casos eram nível I, seguido pelos níveis III, IV e II. No sexo feminino, o mais comum foi nível I, e no sexo masculino, nível IV. (Tabela I)

TABELA I: incidência de MC relacionando sexo com faixa etária, tipo histológico, Breslow e Clark diagnosticados entre Janeiro 2013 e Junho de 2015

Características               Masculino                Feminino                  Total

                                             n (%)                           n (%)                           n (%)

Nº de casos

Faixa etária(anos)

20-29

20 (41%) 29 (59%) 49 (100%)
0 (0,0%) 2 (6,9%) 2 (4,1%)
30-39 2 (10,0%) 2 (6,9%) 4 (8,2%)
40-49 0 (0,0%) 0 (0,0%) 0 (0,0%)
50-59 5 (25,0%) 8 (27,6%) 13 (26,5%)
60-69 5 (25,0%) 4 (13,8%) 9 (18,4%)
70-79 6 (30,0%) 8 (27,6%) 14 (28,6%)
80-89 2 (10,0%) 4 (13,8%) 6 (12,2%)
90-99

Tipo histológico

0 (0,0%)

 

1 (3,4%)

 

1 (2,0%)

 

LMM 9 (45,0%) 9 (31,0%) 18 (36,7%)
MÊS 4 (20,0%) 12 (41,4%) 16 (32,6%)
MN 3 (15,0%) 2 (6,9%) 5 (10,2%)
MLA 1 (5,0%) 1 (3,4%) 2 (4,1%)
NC

Breslow

3 (15,0%)

 

5 (17,2%)

 

8 (16,3%)

 

In situ 5 (25,0%) 11 (37,9%) 16 (32,7%)
≤ 1 mm 1 (5,0%) 9 (31,0%) 10 (20,4%)
1,01-2mm 1 (5,0%) 1 (3,4%) 2 (4,1%)
2,01-4mm 4 (20,0%) 4 (13,8%) 8 (16,3%)
> 4mm 5 (25,0%) 2 (6,9%) 7 (14,3%)
NC

Clark

4 (20,0%)

 

2 (6,9%)

 

6 (12,2%)

 

I 5 (25,0%) 11 (37,9%) 16 (32,6%)
II 1 (5,0%) 6 (20,7%) 7 (14,3%)
III 3 (15,0%) 6 (20,7%) 9 (18,4%)
IV 6 (30,0%) 3 (10,3%) 9 (18,4%)
V 1 (5,0%) 2 (6,9%) 3 (6,1%)
NC 4 (20,0%) 1 (3,4%) 5 (10,2%)

MES: melanoma extensivo superficial; MN: melanoma nodular; LMM: lentigo maligno melanoma; MLA: melanoma lentiginoso acral; NC: Não classificado.

GRÁFICO I: localização do melanoma cutâneo em relação ao sexo

Localização do melanoma cutâneo

DISCUSSÃO

O melanoma cutâneo é a neoplasia cutânea de pior prognóstico, sendo assim um importante tema a ser estudado. No presente estudo, houve predomínio de MC em pacientes do sexo feminino, conforme descrito em estudos prévios no estado do Rio Grande do Sul 5-8, e também em outras regiões do Brasil 7,9-14.  Dois estudos retrospectivos realizados em Centros de Referência em Dermatologia do Sistema Único de Saúde em Porto Alegre (RS) descreveram a idade média do diagnóstico aos 55,6 anos 5 e 53,7 anos 6. Da mesma forma, estudos realizados nas cidades de Chapecó (SC) 9 e Passo Fundo (RS) 7 descreveram idade média dos pacientes de 54 anos e 51,7 anos, respectivamente. A idade média dos pacientes no momento do diagnóstico, nesse estudo, foi de 63,5 anos para ambos os sexos, em torno de 10 anos acima, em comparação com os outros estudos citados. Essa divergência com a literatura pode estar relacionada ao fato de a maioria dos casos serem de LMM, que possui evolução lenta e ocorre em pessoas de maior faixa etária devido a um dano solar crônico sobre a pele.

No último estudo realizado em Santa Maria (RS) 8, publicado em 2012, foram analisados 105 casos de MC, e a faixa etária mais frequente foi 40-59 anos. Diferente deste estudo, a faixa etária de maior prevalência verificada foi de 7079 anos e, curiosamente, não houve casos entre 40-49 anos.

Os tipos histológicos mais frequentes descritos nos estudos realizados na região sul do Brasil são MES (59,0-66,5%), MN (14,6-25,3%) e LMM (10,015,6%) 5-7,9. Curiosamente, nota-se uma discrepância na prevalência dos tipos histológicos encontrados no nosso estudo em relação a maioria dos estudos revisados. Apesar da grande maioria dos estudos publicados corroborarem com a epidemiologia anteriormente descrita, dois estudos publicados em 2013 15 e 1996 16 vem ao encontro das estatísticas encontradas por nós, onde houve predomínio do tipo LMM (36,7%), seguido de MES (32,7%) e MN (10,2%).

O LMM não é o tipo histológico mais frequente de melanoma, sendo encontrado em aproximadamente 10% dos casos. Acomete principalmente pessoas na sétima década de vida e está intimamente relacionado com a exposição solar crônica, tornando difícil o diagnóstico diferencial de hiperplasia melanocítica atípica, que também é encontrada em pele muito danificada pelo sol. As lesões do LMM ocorrem, principalmente, na face e possuem crescimento lento, sua forma in situ é conhecida como lentigo maligno. Na dermatoscopia, pode-se encontrar padrão granular anular e estruturas romboides 17.

O fato do MC ocorrer mais frequentemente na região do tronco em homens e mulheres parece consenso na literatura 5-7,9,10,14. Entretanto, a topografia das lesões nos 49 casos analisados neste estudo foi de 45% em cabeça e pescoço, 31% em tronco e 12% em membros superiores. O subtipo LMM é mais comum na região da cabeça e pescoço (53,7-90%)15,18, o que é corroborado pelo nosso estudo, uma vez que 72,2% dos casos de LMM acometeram a região da cabeça e pescoço dos pacientes.

Assim como em estudos anteriores, as pacientes do sexo feminino apresentaram lesões mais finas conforme o índice de Breslow 10,15, o que explica melhores índices de sobrevida nas mulheres. Nos homens, lesões com espessura > 4mm corresponderam à 25% dos casos, seguida de lesões de 2,01-4mm com 20% dos casos, o que mostra que o diagnóstico foi tardio, acarretando pior prognóstico e sobrevida nesses pacientes, podendo estar relacionado com a demora dos homens em buscar atendimento médico somado ao intervalo de tempo do encaminhamento da atenção básica ao atendimento em um hospital terciário. No caso do LMM, a maioria das lesões foram in situ (55,5%), mesma característica apresentadas no estudo realizado em Brasília 15.

A região central do Rio Grande do Sul recebe alto índice de radiação UV devido à destruição da camada de ozônio. Em Santa Maria, o índice UVB chega a 13 durante o verão, sendo classificado como de categoria de intensidade extrema. Este índice vai de 0 a 16. Quanto mais alto, maior o risco de danos à pele e de aparecimento do câncer 19. Além disso, o estado do Rio Grande do Sul apresenta uma alta proporção de descendentes de europeus, com pessoas de pele mais clara, o que pode contribuir como fator de risco para o desenvolvimento de melanoma cutâneo nessa região 20.

Na literatura, encontramos algumas características epidemiológicas que geram dúvidas quanto a relação da luz solar e o desenvolvimento dos melanomas: idosos não são a principal faixa etária acometida apesar de, em teoria, possuírem uma maior exposição solar cumulativa; em estudos caso-controles, a exposição solar cumulativa durante a vida adulta e queimaduras solares não foram associadas com elevação do risco; LMM é o único subtipo que coincide com locais de maior exposição solar. No entanto, estudos em animais e humanos mostraram que as radiações UVA e UVB estão associadas a um maior risco no desenvolvimento de melanoma, sendo UVB o fator mais forte 17.  Sabemos que diversas mutações genéticas foram identificadas como predisposição ao desenvolvimento de melanoma. O MC1R, um gene de pigmentação, está relacionado com o risco para desenvolvimento de melanomas mutantes BRAF 17. Aproximadamente 25% dos casos de melanoma familiar estão relacionados com mutações da linha germinativa CDKN2A, que também está relacionada com maior risco de desenvolver câncer de pâncreas 17,21. A recomendação do International Melanoma Genetics Consortium recomenda que os testes genéticos para mutações CDKN2A sejam realizados apenas em protocolos de pesquisa 17. Nosso estudo não tinha o objetivo de realizar pesquisa de mutações genéticas e também não teve contato com os pacientes e seus prontuários para buscar a história familiar ou pessoal de melanomas, apesar de essa associação estar cada vez mais forte e bem descrita na literatura mundial.

CONCLUSÕES

A epidemiologia do MC, neste estudo, mostrou padrões diferentes dos descritos anteriormente na literatura brasileira. Houve um maior número de casos de LMM, o que levou ao predomínio de faixas etárias mais avançadas e lesões na região da cabeça e pescoço, além disso, a maioria das exéreses foram realizadas precocemente, mostrando que campanhas de prevenção estão surtindo efeito. O trabalho apresentou algumas limitações, em alguns casos, a classificação do fototipo dos pacientes não foi descrita pelo médico que realizou a exérese da lesão, que nem sempre era dermatologista, então, como este estudo não utilizou o prontuário dos pacientes, houve uma perda de informações relevantes.

Na opinião dos autores, o predomínio do LMM no presente estudo provavelmente ocorreu devido à população atendida no Serviço de

Dermatologia do Hospital Universitário de Santa Maria, em sua maioria, ser composta por pessoas de pele clara, as quais possuem exposição solar ocupacional e cotidiana. Esse tipo de exposição, ao contrário da exposição episódica ou de lazer, é um fator determinante para o desenvolvimento do LMM. Tais fatos devem ser considerados pelos gestores locais na adoção de políticas de saúde que proporcionem o diagnóstico precoce do melanoma cutâneo e, consequentemente, leve a um melhor prognóstico dessa neoplasia.

REFERÊNCIAS

  1. Castro LG, Messina MC, Loureiro W, Macarenco RS, Duprat Neto JP, Giacomo TH y col. Guidelines of the Brazilian Dermatology Society for diagnosis, treatment and follow up of primary cutaneous melanoma – Part I. An Bras Dermatol 2015; 90 (6): 851-861.
  2. Almeida FA, Almeida GO y Michalany NS. Melanoma cutâneo, aspectos clínicos. In: Neves RG. Câncer da pele. Rio de Janeiro: MEDSi. 2001; 225-239.
  3. Dimatos DC, Duarte FO, Machado RS, Vieira VJ, Vasconcellos ZAA, Binsely J y col. Melanoma Cutâneo no Brasil. Arq Catarin de Med 2009; 38 (1): 1419.
  4. Wolff K y Johnson RA. Precursores do melanoma e melanoma cutâneo primário. In: Wolff K, Johnson RA. Dermatologia de Fitzpatrick: atlas e texto. 6a ed. Porto Alegre: AMGH. 2011; 300-333.
  5. Bonfá R, Bonamigo RR, Bonfá R, Duro KM, Furian RD y Zelmanowicz AM. Early diagnosis of cutaneous melanoma: an observation in southern Brazil. An Bras Dermatol 2011; 86 (2): 215-221.
  6. Martins-Costa GM, Bonamigo RR, Menegat AP, Martins-Costa LL, Bonfá R y Grazziotin TC. Primary cutaneous melanoma: confirmations and news. Rev da AMRIGS. 2013; 57 (3): 208-212.
  7. Borges SZ, Bakos L, Cartell A, Wagner M, Agostini A y Lersch E. Distribution of clinical-pathological types of cutaneous melanomas and mortality rate in the region of Passo Fundo, RS, Brazil. Int J Dermatol 2007; 46 (7): 679-686.
  8. Silva AK, Santos FG, Haeffner LSB, Budel F, Farenzena GJ y Beber AAC. Câncer de pele: demanda de um serviço de dermatologia de um hospital terciário. Saúde (Santa Maria). 2012; 38 (2): 55-64.
  9. Moreno M, Conte B y Menegat E. Diferenças Clínico-epidemiológicas entre pacientes masculinos e femininos com diagnóstico de melanoma cutâneo no oeste de Santa Catarina. Rev Bras de Cancer 2015; 61 (1): 15-21.
  10. Konrad P, Fabris MR, Melao S y Blanco LFO. Perfil epidemiológico e histopatológico dos casos de melanoma cutâneo primário diagnosticados em Criciúma no período entre 2005 e 2007. An Bras Dermatol 2011; 86 (3): 457461.
  11. Lima AS, Stein CE, Casemiro KP y Rovere RK. Epidemiology of Melanoma in the South of Brazil: study in a city of Vale do Itajaí from 1999 to 2013. An Bras Dermatol 2015; 90 (2): 185-189.
  12. Battisti R, Nunes DH, Lebsa-Weber A, Schweitzer LC y Sgrott I. Avaliação do perfil epidemiológico e da mortalidade dos pacientes com diagnóstico de melanoma cutâneo primário no município de Florianópolis – SC, Brasil. An Bras Dermatol 2009; 84 (4): 335-342.
  13. Fernandes NC y Calmon R. Melanoma cutâneo: estudo prospectivo de 42 casos. An Bras Dermatol 2010; 86 (6): 1233- 1235.
  14. Weimann ETS, Silvino TST, Matos LS, Simão AL y Costa A.
  15. Epidemiological delineation of cutaneous melanoma cases treated in a tertiary hospital in Campinas, São Paulo State, Brazil. Surg Cosmet Dermatol 2014; 6 (3): 261-266.
  16. Brandão FV, Pereira AF, Gontijo B y Bittencourt FV. Epidemiological aspects of melanoma at a university hospital dermatology center over a period of 20 years. An Bras Dermatol 2013; 88 (3): 344-353.
  17. Fernandes NC, Cardoso ICL, Maceira J y Perez M. Melanoma: estudo retrospectivo de 47 casos. An Bras Dermatol 1996; 71 (4): 381-385.
  18. Garbe C, Bauer J. Melanoma. In: Bolognia J, Jorizzo JL y Schaffer JV. 3a ed. Rio de Janeiro: Elsevier 2015; 1885-1914.
  19. Fernandes NC, Calmon R, Maceira JP, Cuzzi T y Silva CSC. Cutaneous melanoma: prospective study of 65 cases. An Bras Dermatol 2005; 80 (1): 2534.
  20. Kirchhoff VWJH, Echer E, Leme NP y Silva AA. A variação sazonal da radiação ultravioleta solar biologicamente ativa. Rev Bras Geof 2000; 18 (1): 63-74.
  21. Bakos L, Masiero NC, Bakos RM, Burttet RM, Wagner MB y Benzano D. European ancestry and cutaneous melanoma in Southern Brazil. J Eur Acad Dermatol Venereol 2009; 23 (3): 304-307.
  22. Ashton-Prolla P, Bakos L, Junqueira Jr G, Giugliani R, Azevedo SJ y Hogg D. Clinical and Molecular Characterization of Patients at risk for Hereditaty Melanoma in Southern Brazil. J Invest Dermatol 2008; 128 (2): 421-425.

Referencias

REFERÊNCIAS

  1. Castro LG, Messina MC, Loureiro W, Macarenco RS, Duprat Neto JP, Giacomo TH y col. Guidelines of the Brazilian Dermatology Society for diagnosis, treatment and follow up of primary cutaneous melanoma – Part I. An Bras Dermatol 2015; 90 (6): 851-861.
  2. Almeida FA, Almeida GO y Michalany NS. Melanoma cutâneo, aspectos clínicos. In: Neves RG. Câncer da pele. Rio de Janeiro: MEDSi. 2001; 225-239.
  3. Dimatos DC, Duarte FO, Machado RS, Vieira VJ, Vasconcellos ZAA, Binsely J y col. Melanoma Cutâneo no Brasil. Arq Catarin de Med 2009; 38 (1): 1419.
  4. Wolff K y Johnson RA. Precursores do melanoma e melanoma cutâneo primário. In: Wolff K, Johnson RA. Dermatologia de Fitzpatrick: atlas e texto. 6a ed. Porto Alegre: AMGH. 2011; 300-333.
  5. Bonfá R, Bonamigo RR, Bonfá R, Duro KM, Furian RD y Zelmanowicz AM. Early diagnosis of cutaneous melanoma: an observation in southern Brazil. An Bras Dermatol 2011; 86 (2): 215-221.
  6. Martins-Costa GM, Bonamigo RR, Menegat AP, Martins-Costa LL, Bonfá R y Grazziotin TC. Primary cutaneous melanoma: confirmations and news. Rev da AMRIGS. 2013; 57 (3): 208-212.
  7. Borges SZ, Bakos L, Cartell A, Wagner M, Agostini A y Lersch E. Distribution of clinical-pathological types of cutaneous melanomas and mortality rate in the region of Passo Fundo, RS, Brazil. Int J Dermatol 2007; 46 (7): 679-686.
  8. Silva AK, Santos FG, Haeffner LSB, Budel F, Farenzena GJ y Beber AAC. Câncer de pele: demanda de um serviço de dermatologia de um hospital terciário. Saúde (Santa Maria). 2012; 38 (2): 55-64.
  9. Moreno M, Conte B y Menegat E. Diferenças Clínico-epidemiológicas entre pacientes masculinos e femininos com diagnóstico de melanoma cutâneo no oeste de Santa Catarina. Rev Bras de Cancer 2015; 61 (1): 15-21.
  10. Konrad P, Fabris MR, Melao S y Blanco LFO. Perfil epidemiológico e histopatológico dos casos de melanoma cutâneo primário diagnosticados em Criciúma no período entre 2005 e 2007. An Bras Dermatol 2011; 86 (3): 457461.
  11. Lima AS, Stein CE, Casemiro KP y Rovere RK. Epidemiology of Melanoma in the South of Brazil: study in a city of Vale do Itajaí from 1999 to 2013. An Bras Dermatol 2015; 90 (2): 185-189.
  12. Battisti R, Nunes DH, Lebsa-Weber A, Schweitzer LC y Sgrott I. Avaliação do perfil epidemiológico e da mortalidade dos pacientes com diagnóstico de melanoma cutâneo primário no município de Florianópolis – SC, Brasil. An Bras Dermatol 2009; 84 (4): 335-342.
  13. Fernandes NC y Calmon R. Melanoma cutâneo: estudo prospectivo de 42 casos. An Bras Dermatol 2010; 86 (6): 1233- 1235.
  14. Weimann ETS, Silvino TST, Matos LS, Simão AL y Costa A.
  15. Epidemiological delineation of cutaneous melanoma cases treated in a tertiary hospital in Campinas, São Paulo State, Brazil. Surg Cosmet Dermatol 2014; 6 (3): 261-266.
  16. Brandão FV, Pereira AF, Gontijo B y Bittencourt FV. Epidemiological aspects of melanoma at a university hospital dermatology center over a period of 20 years. An Bras Dermatol 2013; 88 (3): 344-353.
  17. Fernandes NC, Cardoso ICL, Maceira J y Perez M. Melanoma: estudo retrospectivo de 47 casos. An Bras Dermatol 1996; 71 (4): 381-385.
  18. Garbe C, Bauer J. Melanoma. In: Bolognia J, Jorizzo JL y Schaffer JV. 3a ed. Rio de Janeiro: Elsevier 2015; 1885-1914.
  19. Fernandes NC, Calmon R, Maceira JP, Cuzzi T y Silva CSC. Cutaneous melanoma: prospective study of 65 cases. An Bras Dermatol 2005; 80 (1): 2534.
  20. Kirchhoff VWJH, Echer E, Leme NP y Silva AA. A variação sazonal da radiação ultravioleta solar biologicamente ativa. Rev Bras Geof 2000; 18 (1): 63-74.
  21. Bakos L, Masiero NC, Bakos RM, Burttet RM, Wagner MB y Benzano D. European ancestry and cutaneous melanoma in Southern Brazil. J Eur Acad Dermatol Venereol 2009; 23 (3): 304-307.
  22. Ashton-Prolla P, Bakos L, Junqueira Jr G, Giugliani R, Azevedo SJ y Hogg D. Clinical and Molecular Characterization of Patients at risk for Hereditaty Melanoma in Southern Brazil. J Invest Dermatol 2008; 128 (2): 421-425.

Sea el primero en comentar este artículo

Deje su comentario

Su casilla de mail no será publicada.


*